DESCANSO PARA LOUCURA: Julho 2021

PESQUISE NESTE BLOG

quinta-feira, 29 de julho de 2021

1º FESTIVAL VIRTUAL DE INVERNO DE PALMEIRA DOS ÍNDIOS - AL

De acordo com nota publicada pela gestão municipal, o 1º Festival Virtual de Inverno vem "para garantir mais apoio ao setor cultural e artístico de nossa terra" e ocorrerá entre os dias 06, 07 e 08 de agosto, com artistas da terra e convidados. "É a temporada do frio que chegou para deixar nossa cidade mais linda e aconchegante. Curta no calor e aconchego de casa, com a família, o melhor da nossa cultura na programação dos 132 Anos de nossa Emancipação Política".

sábado, 17 de julho de 2021

Comentários sobre o filme DAENS – um grito de justiça


Comentários:

A história se passa no final do século XIX, na cidade de Aalst, na Bélgica, quando os trabalhadores assalariados iniciavam suas lutas por melhores condições de trabalho. Naquele período as leis eram precárias e quem detinha grande influência sobre o Estado era a Igreja.

O padre Daens, quando chegou à cidade começou a querer mudar aquela dura realidade, aquela triste história, pois ele viu seu senso de revolução ferver quando se deparou com aquela precária situação dos trabalhadores. Uma das formas de promover ajuda foi encontrada na política e daí ele se candidatou a deputado.

O filme retrata também a passagem do Estado Liberal para o estado social que garante os direitos básicos e essenciais da população.

Naquele período, também, o movimento socialista começou a influenciar o povo para a luta de classes, pelos seus direitos, especialmente através do jornalismo escrito. O Socialismo visava a propriedade coletiva dos meios de produção e a organização de uma sociedade de classes.

O padre buscou ajuda da Igreja, através do Papa Leão XIII, mas este se recusou a ajudar, pois a Igreja temia que o povo lutasse desperdiçadamente, ao tempo que temia também o fortalecimento do socialismo, o que diminuiria o enorme poder da Igreja. Por isso ela aliou-se aos principais representantes industriais e a burguesia em geral para não cederem apoio e deste modo o padre Daens acabou por lutar sem nenhum apoio institucional.

Finalmente é importante comentar o quanto os trabalhadores eram escravizados, principalmente mulheres e crianças. Para se ter uma ideia, a cargo horária era de 14 a 16 horas por dia e os salários eram reduzidos baseando-se na força física (isso para mulheres e crianças). Quanto às mulheres, estas constituíam a maior parte da massa trabalhadora, enquanto as crianças começavam a trabalhar aos seis anos de idade. Ao tempo em que os trabalhadores se alcoolizavam por desespero e a máquina desqualificava o trabalho humano, formando mais desempregados e/ou reduzindo os salários. A Igreja e o Estado cuidavam para que a força militar protegesse as empresas e o poder enorme que reinava.

1993/ 2h 18min/ Biografia, Drama
Direção: Stijn Coninx
Roteiro: Stijn Coninx
Elenco: Jan Decleir, Gérard Desarthe, Antje De Boeck
Título original: Daens

sexta-feira, 9 de julho de 2021

Resumo: O Humanismo, de Martin Heidegger

O Humanismo, Coleção Os Pensadores, de Martin Heidegger
Imagem copiada de: https://www.dialetico.com.br/2018/10/11/a-vereda-heideggeriana-de-benedito-nunes/

O agir não é apenas a produção de um efeito, mas sobretudo o consumar, ou seja, desdobrar uma coisa até chegar a sua essência. O pensar consuma a relação do ser com a essência do homem, ele age quando é exercido como pensar.

As expressões 'sujeito e objeto' se apoderaram da interpretação da linguagem na forma de Lógica e de Gramática.

O pensar não é apenas o engajamento na ação, o pensar é engajamento, mas através do ente, no sentido do efetivamento real na situação presente. A história do ser sustenta e determina cada situação e condição humana. O pensar não é apenas exatidão artificial (técnico-teórica), mas repousa de modo puro no elemento do ser, deixando imperar algumas de suas múltiplas dimensões.

Para que a palavra Humanismo tenha seu sentido é necessário ao menos ter a intenção de conservar tal palavra. Lembramos que o pensar nada mais é do que o pensar do ser. Ele pertence ao ser e escuta o ser, já o querer é o que faz o ser desdobrar o seu ser em sua proveniência (deixar ser), e quando tem a capacidade de ser, significa que está demonstrando o seu poder, e sua essência repousa no querer, daí o ser tem capacidade de pensar.

A existência privada é simplesmente a negação do que é público, a coisa pública dita sobre a linguagem, ela acolhe o que é compreensível e despreza o que é incompreensível.

O reconhecimento da decomposição da linguagem aconteceu um pouco tarde, ela praticamente afastou-se do seu caminho, isso por consequência da Metafísica Moderna da Subjetividade. A essência da verdade ainda não foi desvelada por nós.

Para que o homem chegue ao caminho mais próximo do ser é preciso reconhecer a opinião pública e a privada. O homem deve escutar o apelo do ser, assim a palavra terá novamente a sua essência e o homem a devolução da habilidade para perceber a verdade do ser.

Humanismo é o meditar, cuidar para que o homem seja humano e para que a humanidade repouse na essência. A essência é manifestada e encontrada quando o homem é "conhecido e reconhecido" (Marx) e é a sociedade que possibilita isto. Podemos constatar o primeiro Humanismo em Roma, proveniente do encontro da Romanidade com a cultura do Helenismo, já o estudo da humanidade decorre da Antiguidade, passando por um Renascimento da Grecidade.

Pelo ângulo que for analisado o Humanismo, sempre se chegará a um ponto: o Humanismo é determinado a partir do ponto de vista de uma interpretação física da natureza, da história, do mundo, do fundamento do mundo, e isto também vale para o Ente em sua totalidade. Todo Humanismo funda-se numa Metafísica que age através de sua essência.

O primeiro Humanismo (romano) e todos os outros que surgiram até o presente fazem óbvia o elemento "essência" mais universal do homem. A Metafísica representa o Ente em seu ser e pensa do ser do Ente, porém não diferenciados; já o homem a Metafísica pensa a partir da sua animalidade, não a partir da sua humanidade.

A conservação da origem da determinação do homem corresponde a ec-sistência (existência). O homem reside na sua ec-sistência, não tornando-a como realidade efetiva. Para Kant a existência é a realidade efetiva no sentido de objetividade da experiência. Para Hegel ela é a ideia de si sobre si mesma, a ideia de subjetividade absoluta. Já para Nietzche ela é o eterno retorno do mesmo.

A ec-sistência é a exposição verdadeira do ser, é a realidade efetiva, pura oposição da possibilidade da ideia.

Para Sartre a existência precede a essência (Princípio do Existencialismo), isso no sentido metafísico, chegando assim no esquecimento da verdade do ser.

Para chegarmos a uma certa dimensão da verdade do ser é preciso tornar claro como o ser se dirige ao homem e como o requisita, primeiro tomamos o homem como uma substância. Mas dizer que o homem é substância metafísica, em Ser e Tempo, significa também falar da humanidade do homem como ser Rationale (Racional), porém citar as determinações humanísticas não é experimentar a dignidade, então, o pensar (em Ser e Tempo), é contra o Humanismo.

Há controvérsias para com o Humanismo porque ele não instaura a humanidade do homem numa posição suficientemente alta.

O homem é "jogado" pelo ser, mesmo na verdade do ser, para que, ec-sistindo guarde a verdade do ser e depois para que a luz do Ente se manifeste como o Ente que efetivamente é. O advento do ente repousa no destino do ser e este último é guardado pelo homem. O ser é mais amplo e mais próximo do homem do que do ente.

O homem tem como morada a linguagem, ec-sistindo enquanto pertence a verdade do ser, daí protegendo-a.

Muitos filósofos levantaram várias teorias sobre o ser, mas está claro que o ser ainda continua impensado, diz-se também em Ser e Tempo.A transcendência do ser como tal é a essência do ser manifestada no homem, já o ente (como foi citado anteriormente) é o sinal do esquecimento do ser, tornando portanto a verdade a verdade do ser impensada e isso acontece porque o homem só considera e só trabalha o ente. Essa troca de ser com ente e vice-versa vem desde a Antiguidade. "O homem é, como a réplica ec-sistente do ser, mais que um animal racional, na proporção em que precisamente é menos na relação com o homem que se compreende a partir da subjetividade". O homem como pastor do ser tem como prêmio o acesso a verdade do ser. Ele faz fronteira com o ser.

O Humanismo pensa a humanidade do homem próximo do ser, usando a essência historial do homem (a ec-sistência do homem). NO âmbito do ser a palavra Humanismo perdeu o seu sentido, veja: a essência do Humanismo é de caráter metafísico e a Metafísica persiste no esquecimento do ser (...). Opor ao Humanismo não significa defender o inumano, mas abrir outras perspectivas.

O Transcendente é o ente supra-sensível, sendo então, o ente supremo no sentido de causa primeira de todos os entes. Deus é pensado como esta causa primeira.

O ser jogou a essência do homem para os seus cuidados, mas deixou uma clareira para que o homem ficasse postado, cuidando desta essência.

O sagrado passa a ser pensado a partir da verdade do ser e depois chegando a luz pode-se finalmente pensar e dizer o que deve nomear a palavra Deus.

Pensar a verdade do ser significa pensar a humanidade do homem, tendo assim, a humanidade a serviço da verdade do ser, porém, o Humanismo, neste caso, não deve ser entendido no sentido metafísico.

Heidegger coloca que é mais interessante não determinar as relações exatas de uma coisa com outra, mas primeiramente perguntar o que são essas coisas (por exemplo na relação entre Ontologia e Ética). Mas, o pensar que questiona a verdade do ser, determinando assim, o lugar essencial do homem, nem é Ética nem Ontologia. Portanto, a relação entre elas não tem mais sucessos neste contexto.

O pensar, porém, nem é teórico nem é prático, é apenas uma lembrança do ser, ele auxilia na construção do ser.

"Mais importante do que qualquer fixação de regras é o homem encontrar o caminho para morar na verdade do ser". É esta habitação que dá sustentação e apoio a experiência. O apoio (que na língua alemã significa proteção) presenteia a verdade do ser, e mesmo que o homem não esteja habitando na morada do ser, ele tem a linguagem como habitáculo.

A simplicidade do ser acaba prejudicando o acesso a sua verdade, assim ele torna-se para nós irreconhecível. 

A única tarefa do pensar é fazer com que a linguagem esteja sempre à espera do homem.

Já é tempo de para um pouco de supervalorizar a Filosofia, na presente indigência do mundo é necessário menos Filosofia e mais desvelo do pensar, menos Literatura e mais cultivo da letra (linguagem).

"O pensamento futuro não é mais Filosofia por que pensa mais originariamente  que a Metafísica, nome que diz o mesmo". O pensar futuro também não pode mais, como exigia Hegel, deixar de lado o nome do "amor pela sabedoria" e nem ter se tornando a sabedoria na forma do saber absoluto. O pensar está na descida para a pobreza de sua essência percursora. O pensar recolhe a linguagem para junto do simples dizer. A linguagem é assim a linguagem do ser. Com o seu dizer o pensar abre sulcos invisíveis na linguagem.


HEIDEGGER, Martin. O Humanismo. São Paulo. Abril Cultural, 1979 (Coleção Os Pensadores). 

SEGUIDORES